(64) 9 9989 9911

NO AR

Voz do Brasil

Com Voz do Brasil

Brasil

STF retoma julgamento que pode \"anular\" eleição de sete deputados; entenda

O resultado do julgamento pode mudar a composição das bancadas da Câmara, com partidos perdendo cadeiras. O caso é o primeiro item da pauta

Publicada em 21/02/24 às 10:31h - 19 visualizações

por Kativa FM \\ Exame


Compartilhe
 

Link da Notícia:

STF: supremo vai julgar ação que pode impactar na composição da Câmara (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Flickr)  (Foto: Kativa FM \\ Exame)

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quarta-feira, 21, o julgamento de três ações diretas de inconstitucionalidade (ADI) que questionam a eleição de sete deputados federais com base na regra de sobras de vagas eleitorais. O resultado do julgamento pode mudar a composição das bancadas da Câmara, com partidos perdendo cadeiras. O caso é o primeiro da item da pauta.

Os processos foram protocolados pela Rede, PSB, Podemos e PP. Em todas as ações, os partidos alegam que as regras de cálculo das vagas das sobras eleitorais determinadas pela Lei 14.211/2021 e uma resolução do pelos Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estão erradas. 

As sobras eleitorais são as vagas que restam depois da divisão pelo quociente eleitoral — um índice que é calculado a partir do número de votos recebidos e das vagas disponíveis. A regra atual determina que só pode disputar essas vagas o partido que tiver ao menos 80% do quociente eleitoral, e os candidatos que tenham obtido votos de ao menos 20% desse quociente.

Os partidos sustentam que essa norma pode levar a distorções do sistema proporcional, como, por exemplo, um partido ficar com todas as vagas da Câmara, caso seja o único a alcançar o quociente eleitoral.

Ao apresentarem números totais sobre a votação para deputado federal nas eleições de 2022, as ações apontam que apenas 28 dos 513 deputados se elegeram com seus próprios votos ou atingiram o quociente eleitoral. Os 485 restantes se beneficiaram dos votos dos puxadores de seus partidos ou de suas federações.

Entre outros argumentos, Podemos e PSB dizem que a medida fere princípios constitucionais como o pluralismo político, o Estado Democrático de Direito, a igualdade de chances, a soberania popular e o sistema proporcional. Os partidos argumentaram que a resolução do TSE não deveria estar válida na eleição de 2022.

A ação começou a ser julgada no ano passado no plenário virtual e está 3 a 0 para derrubada da mudança no código eleitoral — ou seja, concordando com os argumentos dos autores das ações. O relator, o ex-ministro Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes votaram para a derrubada da regra.  A sessão foi interrompida após um pedido de vista do ministro André Mendonça.

Lewandowski defendeu, na época, que a alteração passasse a valer a partir da decisão da Corte, mas Moraes e Gilmar votaram para que também fosse aplicada nos resultados das eleições de 2022. Com isso, se a maioria da Corte seguir Moraes e Gilmar, a mudança nas bancadas seria feita e os sete deputados perderiam os seus mandatos.

Andreive Ribeiro, advogado eleitoralista e membro da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), avalia que a lei de 2021 parece ser "uma atuação inconstitucional do legislador", o que deve resultar na declaração da inconstitucionalidade das regras e provocar a perda de mandatos dos deputados.

"O desafio maior do Supremo será então de compatibilizar essa decisão com a possibilidade de perda de mandatos atuais, cujos mandatários foram diplomados com base na legislação vigente por ocasião do pleito de 2022", disse.

Advocacia da Câmara, AGU e PGR divergem sobre o tema

Em ofício, a Advocacia da Câmara pediu para se manifestar no julgamento. A instituição diz que a decisão do STF pode mudar a composição da Casa e provar mudanças no funcionamento da casa.

Em dezembro de 2022, a Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou um parecer contra as ações do partido. A AGU aponta que o modelo de 2021 não interfere nos princípios constitucionais por ter sido alterada um ano antes da realização das eleições de 2021, o que respeitaria a anualidade eleitoral.

Já a Procuradoria-Geral da República emitiu parecer favorável a derrubada das normas. Segundo o ex-PGR, Augusto Aras, modelo adotado nas últimas eleições reduzem o acesso das legendas pequenas no Legislativo, o que afetaria o "pluripartidarismo e o princípio da igualdade de chances".

Quem são os deputados que podem ser afetados com a ação do STF?

PL, PDT, PP, MDB, União Brasil e Republicanos seriam os partidos afetados pela possível decisão do STF, com a maioria dos deputados do Amapá com risco de perder o mandato. São eles:

  • Sílvia Waiãpi (PL-AP)
  • Sonize Barbosa (PL-AP)
  • Professora Goreth (PDT-AP)
  • Augusto Pupio (MDB-AP)
  • Lázaro Botelho (PP-TO)
  • Gilvan Máximo (Republicanos-DF)
  • Lebrão (União Brasil-RO)



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

ESTA RÁDIO É SUA

(64) 3631- 1392

Copyright (c) 2024 - Kativa FM \"Essa Rádio é Sua\" - Jataí - GO