(64) 9 9989 9911

NO AR

Planeta Rádio

Com Grace Kelly, Léo Carvalho

Ciência

Água-viva fantasma extremamente rara é flagrada por câmera

Menos de 130 avistamentos já foram feitos da misteriosa criatura do fundo do mar. Agora, um espécime de nove metros de comprimento foi avistado na Antártida.

Publicada em 21/02/23 às 10:17h - 58 visualizações

por Kativa FM \\ National Geographic


Compartilhe
 

Link da Notícia:

Turistas recentemente avistaram o invertebrado de 9 metros de comprimento em águas rasas da Antártida. FOTO DE MARK NIESINK  (Foto: Kativa FM \\ National Geographic)

No brilho azul etéreo da água, uma forma enorme se aproximou deles. Com cerca de 9 metros de comprimento, quatro braços ondulantes e uma cabeça abobadada, a criatura era maior que a embarcação submersível dos turistas. Esta visão surpreendente ocorreu a centenas de metros debaixo d'água na costa da Ilha Rongé, na Antártida.

Quando eles retornaram ao navio de cruzeiro da Viking Expeditions e mostraram fotos a Daniel M. Moore, um biólogo marinho da Exeter University no Reino Unido, ele sabia que eles tinham visto “algo incrivelmente raro”.

Acontece que esses viajantes sortudos estão entre apenas um punhado de pessoas que já viram a água-viva fantasma gigante, ou Stygiomedusa gigantea. Até aquele momento, em janeiro de 2022, havia apenas 126 observações registradas desde que a espécie foi descrita pela primeira vez em 1910 – incluindo espécies capturadas em redes e filmagens de veículos subaquáticos operados remotamente, ou ROVs. Mesmo os cientistas do Monterey Bay Aquarium Research Institute, que registraram milhares de horas de mergulhos submersíveis, viram apenas nove.

Surpreendentemente, o primeiro avistamento de água-viva não foi isolado. Apenas uma semana depois, no final de janeiro de 2022, outro grupo de turistas também avistou uma água-viva fantasma, seguida por mais uma, em meados de março. Na temporada turística mais recente, entre outubro de 2022 e janeiro de 2023, os submersíveis avistaram mais sete ou oito.

Parte da razão para os encontros frequentes é que as expedições de turismo na Antártica estão cada vez mais oferecendo submersíveis pessoais aos hóspedes, diz Moore, cientista-chefe da Viking Cruises, que administra as expedições à Antártida. 

As águas antárticas abaixo de 48 metros ainda não foram bem exploradas porque são muito difíceis e caras de alcançar. Agora, com submersíveis privados descendo a cerca de 300 metros, você pode ser “o primeiro humano a ver um trecho específico do fundo do mar”, diz ele.

Os encontros de 2022 com águas-vivas fantasmas gigantes já estão mudando o que sabemos sobre essa espécie mística de águas profundas, acrescenta Moore – particularmente a amplitude de seu habitat oceânico. As águas-vivas fantasmas são geralmente encontradas a quase 6 mil metros de profundidade, mas esses animais nadavam em águas entre 80 e 275 metros.

Um enigma do fundo do mar


Os cientistas ainda sabem muito pouco sobre esses invertebrados gigantes, que vivem na zona escura e fria da meia-noite dos oceanos polares. Acredita-se que estas águas-vivas usem seus braços ondulantes em forma de fita para capturar e se alimentar de plâncton e pequenos peixes.

Uma coisa é certa: muitas vezes elas têm companhia. A água-viva fantasma foi observada com um pequeno peixe – chamado brotula pelágica, ou Thalassobathia pelagica – vivendo ao lado dela. Nesta relação mutuamente benéfica, o peixe recebe abrigo e proteção em troca de manter a água-viva livre de doenças comendo quaisquer parasitas que se prendam a ela. 

A água-viva (fotografada durante o mergulho submersível) usa seus longos braços para capturar presas, como o ...

Quanto ao motivo pelo qual as grandes águas-vivas estão aparecendo em águas antárticas mais rasas, Moore especula que elas poderiam ser carregadas pelas correntes, ou talvez subir das profundezas para se expor ao sol para se livrar de quaisquer parasitas adicionais.

Uma vitória para a ciência 


Os submersíveis pessoais são veículos que acomodam um piloto e seis convidados. Eles são equipados com sondas e câmeras sofisticadas, permitindo que os hóspedes tirem fotos e vídeos.

Moore, que liderou um estudo recente sobre o potencial de pesquisa de submersíveis privados na revista Polar Research, chama o fenômeno de “ciência cidadã extrema”.

Paris Stefanoudis, biólogo marinho da Universidade de Oxford (Reino Unido), acrescenta que um dos principais benefícios dos submersíveis é permitir que as pessoas “observem os ambientes em primeira mão, em vez de apenas visualizar uma tela”, como fariam com um ROV.

Mas a pesquisa submersível tem uma desvantagem óbvia – o custo.  Essas expedições de cruzeiro custam dezenas de milhares de dólares por pessoa, tornando-as disponíveis para um grupo muito pequeno de indivíduos, diz Stefanoudis, que não participou da pesquisa.  Embora existam muitos profissionais, ele diz: “Você precisa encarar o fato: nem todo mundo pode usá-los [ou pagar]”.

No entanto, Stefanoudis concorda que os submersíveis poderiam fornecer aos cientistas mais dados sobre criaturas oceânicas pouco vistas. Em particular, ele está interessado em aprender mais sobre a distribuição geográfica da água-viva fantasma e como ela vive em seu ambiente.

Envolver mais pessoas nestas expedições também traz benefícios, pois elas se tornam mais conscientes dos ecossistemas ameaçados e inspiradas a protegê-los. Em suma, diz ele, “é uma vitória para a ciência”.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

ESTA RÁDIO É SUA

(64) 3631- 1392

Copyright (c) 2024 - Kativa FM \"Essa Rádio é Sua\" - Jataí - GO