(64) 9 9989 9911

NO AR

Pediu Tocou da Manhã

Com Teo Moraes

Mundo

Temor de que o Irã seja arrastado para uma guerra direta contra Israel aumenta, analisam especialistas

Leitura é que o apoio de Teerã a grupos radicais anti-Israel, a exemplo do Hezbollah, aumente cada vez mais a participação do país de maioria xiita até uma participação mais direta no conflito

Publicada em 30/10/23 às 13:58h - 42 visualizações

por Kativa FM \\ CNN Brasil.


Compartilhe
 

Link da Notícia:

Ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, discursa à Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York 26/10/2023 REUTERS/Mike Segar  (Foto: Kativa FM \\ CNN Brasil.)
Um dia depois de o grupo radical islâmico Hamas ter lançado o seu ataque contra Israel, um vídeo curioso surgiu do estádio Azadi, em Teerã, capital do Irã. Centenas de torcedores de futebol, reunidos para assistir a uma partida entre Persepolis FC e Gol Gohar Sirjan FC, se mostraram contrários ao hasteamento de uma bandeira da Palestina durante a partida por meio de gritos com tom obsceno.

A atitude dos torcedores surgiu após autoridades tentarem hastear a bandeira da Palestina. Mas para os torcedores, o ato foi mais uma mistura de política e futebol, e um lembrete certeiro do envolvimento do governo iraniano em batalhas fora de suas fronteiras.

O ataque do Hamas, que matou 1.400 pessoas, segundo as autoridades israelenses, desencadeou uma feroz campanha aérea do país de maioria judia em Gaza, que até agora matou mais de 7.000 palestinos, de acordo com o Ministério da Saúde em Gaza, controlada pelo Hamas. No atual estágio do conflito, há preocupações de que mais frentes se abram na guerra, incluindo uma com o Irã.

Especialistas dizem que, embora o Irã esteja receoso de ser arrastado para a guerra entre Israel e o Hamas, poderá não ter o controle total se as milícias que o apoiam na região intervirem de forma independente, enquanto o Hamas sofre duros golpes e o número de mortos em Gaza continua a aumentar.

“O que liga todos estes grupos ao Irã são as suas políticas anti-Israel”, disse Sima Shine, chefe do programa do Irã no Instituto de Estudos de Segurança Nacional (INSS) em Tel Aviv, observando que embora o Irã tenha níveis variados de influência sobre os grupos, não dita todas as suas ações.

Nos primeiros dias após o ataque de 7 de outubro, foram levantadas questões sobre o potencial envolvimento do Irã nos assassinatos. Na época, Teerã elogiou a operação, mas foi rápido em negar qualquer envolvimento nela.

A inteligência inicial dos EUA também sugeriu que as autoridades iranianas ficaram surpresas com o ataque do Hamas e que Teerã não estava diretamente envolvido no seu planejamento, no financiamento de recursos ou aprovação, informou à CNN.

Apesar da sua negação, no entanto, o Irã intensificou a sua retórica contra o seu arqui-inimigo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, alertou que o bombardeio de Gaza por Israel poderá ter consequências de longo alcance, dizendo que se Israel não parar os seus ataques aéreos, “é altamente provável que muitas outras frentes sejam abertas”.

“Esta opção não está descartada e está se tornando cada vez mais provável”, disse ele à Al Jazeera na semana passada.

Na segunda-feira (23), Abdollahian disse que os EUA enviaram ao Irã duas mensagens sobre a escalada do conflito na região.

“A primeira mensagem dizia que os Estados Unidos não estão interessados ​​em expandir a guerra, e a segunda mensagem pedia ao Irã que se contivesse e insistia que o país também pedisse a outros países para não se envolver diretamente no conflito”, afirmou Abdollahian durante uma conferência de imprensa em Teerã, na segunda-feira, sem dizer como e quando as mensagens foram entregues.

Ele acrescentou que, embora os EUA digam que querem diminuir a escalada do conflito, contradisseram-se ao continuarem a apoiar Israel.

Cálculos estratégicos

Trita Parsi, vice-presidente do Instituto Quincy em Washington, disse que não há apetite ou desejo por parte do Irã, dos EUA ou de Israel para uma guerra mais ampla, mas que o fracasso de Washington em conter Israel pode inadvertidamente conduzir a região a uma escalada no conflito.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu na semana passada apoio contínuo a Israel, o que endureceu o sentimento árabe em toda a região e se traduziu em protestos em massa contra as políticas israelenses e norte-americanas na região.

“O único ator que tem um interesse óbvio [em um conflito mais amplo] é o Hamas, dado que um alargamento da guerra poderia mudar a dinâmica de uma forma favorável para eles”, disse Parsi. Na ausência de esforços dos EUA para controlar Israel, “muitos atores regionais se sentirão obrigados a intervir devido aos seus próprios cálculos estratégicos”.

“Enquanto Israel está mobilizando 300 mil soldados, não é provável que o Hezbollah fique sentado e presuma que isso é feito apenas para ir atrás do Hamas”, ponderou ele.

Um grupo armado apoiado pelo Irã e uma poderosa força regional, o Hezbollah, tem trocado tiros com os militares de Israel desde o ataque de 7 de outubro pelo Hamas. Os combates têm sido os piores desde a guerra entre Israel e o Hezbollah em 2006, mas até agora têm estado restritos à fronteira entre o Líbano e Israel.

O ministro da Defesa de Israel disse na semana passada que Israel não estava interessado em outra guerra com o Hezbollah. Mesmo assim, Israel transformou a área com um raio de 4 quilômetros perto da sua fronteira em uma zona militar fechada e evacuou residentes de 28 comunidades em um raio de 2 quilômetros da fronteira libanesa.

Contudo, a influência do Hezbollah vai além do Líbano. Também opera ao lado da elite do Corpo da Guarda Revolucionária do Irã na Síria, onde as Colinas de Golã ocupadas por Israel separam o país de maioria judia dos combatentes alinhados com Teerã.

O grupo libanês também tem canais próprios com o Hamas. O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, reuniu-se na quarta-feira (25) com altos funcionários do Hamas e da Jihad Islâmica Palestina, informou em comunicado, sem revelar onde a reunião ocorreu.

“Foi feita uma avaliação do que os partidos do Eixo da Resistência [anti-Israel e anti-ocidental] devem fazer nesta fase sensível para alcançar uma verdadeira vitória para a resistência em Gaza e na Palestina e para parar a agressão traiçoeira e brutal contra o nosso povo”, afirmou.

O conflito entre o Hamas e o país de maioria judia também levou a um breve conflito na Síria e no Iraque, a partir dos quais milícias apoiadas pelo Irã lançaram vários ataques de drones contra as forças dos EUA. Agora, as forças militares norte-americanas têm informações específicas de que esses mesmos grupos podem participar ainda mais à medida que a guerra entre Israel e o Hamas continua, informou a CNN esta semana.

Os EUA continuam a alertar o Teerã contra tirar partido da situação atual ou encorajar a escalada dos seus representantes. Na terça-feira (24), o Secretário de Estado dos EUA Antony Blinken instou o Conselho de Segurança das Nações Unidas a alertar o Irã contra qualquer envolvimento adicional no conflito.

“Diga ao Irã, diga aos seus representantes em público, em privado, através de todos os meios: não abram outra frente contra Israel neste conflito. Não ataquem os parceiros de Israel”, disse Blinken, observando que um “conflito mais amplo seria devastador, não apenas para palestinos e israelenses, mas para pessoas em toda a região e, na verdade, em todo o mundo”.

Os EUA realizaram na quinta-feira (26) ataques aéreos contra duas instalações ligadas a milícias apoiadas pelo Irã no leste da Síria, de acordo com um comunicado do secretário da Defesa, Lloyd Austin. Os ataques ocorreram após uma série de ataques de drones e foguetes contra as forças dos EUA na região. O comunicado afirma que as instalações visadas foram usadas pelo Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica (IRGC) do Irã e por grupos afiliados.

Shine, do INSS, disse que o Irã não quer uma guerra direta com Israel porque isso significaria uma guerra direta com os EUA. “É muito óbvio que o Irã não quer estar diretamente envolvido e que prefere apenas que os seus representantes [grupos anti-Israel] estejam envolvidos”.

Mas isso pode não acontecer exatamente como o Irã pretende, acrescentou Shine, que anteriormente serviu na comunidade de inteligência israelense durante a maior parte da sua carreira.

“O Irã tem de ter em conta que o mundo não está funcionando de acordo com o que ele decide ou quer”, apontou ela à CNN. “Então, se eles decidirem usar demais seus terceiros, poderão se ver em uma guerra que não desejam.”

Parsi, do Instituto Quincy, disse que o governo iraniano está, no entanto, preparando a sua população para a guerra.

A mídia iraniana está repleta de notícias sobre a guerra em Gaza, com autoridades de todo o espectro político iraniano expressando solidariedade aos palestinos.

“Eles já estão preparando a opinião pública para esta eventualidade, essencialmente tentando argumentar que isto é algo que lhes é trazido à porta por causa do que os israelenses estão a fazer e por causa do apoio americano nisso”, apontou Parsi.

Isto mostra que já existem preocupações no governo iraniano sobre como os cidadãos reagirão a uma guerra na qual o Irã está diretamente envolvido, acrescentou.

Mesmo que haja uma guerra mais ampla que ainda esteja “abaixo do limiar de um envolvimento direto EUA-Irã” – onde é restrita a representantes iranianos que lutam contra Israel – ainda assim seria uma situação extremamente instável, disse ele. “Ninguém pode sequer controlar a situação atual e garantir que ela não piore.”




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

ESTA RÁDIO É SUA

(64) 3631- 1392

Copyright (c) 2024 - Kativa FM \"Essa Rádio é Sua\" - Jataí - GO