(64) 9 9989 9911

NO AR

Planeta Rádio

Com Grace Kelly, Léo Carvalho

Mundo

Qual é um dos trabalhos mais perigosos do mundo? Descubra aqui

Os soldadores subaquáticos são essenciais para os setores de petróleo e gás, mas sofrem o risco de perder um ou mais dedos. Veja a seguir os perigos que esse trabalho realmente envolve.

Publicada em 21/05/24 às 17:47h - 19 visualizações

por Kativa FM \\ National Geographic


Compartilhe
 

Link da Notícia:

A mais de 18 metros de profundidade, um estudante de mergulho está praticando soldagem subaquática no sul da França. Os soldadores enfrentam riscos como a alta pressão da água e a baixa visibilidade ao trabalhar no fundo do mar. FOTO DE PHOTO BY ALE  (Foto: Kativa FM \\ National Geographic)

Ao imaginar um mergulho subaquático, você pode imaginar paraísos tropicais e encontros idílicos com uma vida marinha selvagem e vibrante. Mas, escondido a centenas de metros de profundidade sob a superfície cintilante, existe outro reino do mergulhador – um reino muito distante dos mergulhos serenos ao longo de recifes ensolarados – o mundo árduo do soldador subaquático.

“Nós mantemos o mundo funcionando acima da água, fazendo o trabalho duro abaixo dela”, diz o mergulhador de águas profundas e soldador subaquático veterano Joseph Purvis. “Tive muito orgulho de fazer parte desse mundo emocionante por seis anos bem desafiadores.” 

Embora os perigos da soldagem subaquática tenham atraído a atenção da mídia há anos, surgiu recentemente uma tendência online em que jovens pregam peças em seus entes queridos fingindo ter aceitado um emprego como soldador subaquático – com o potencial de trabalhar em um campo especializado e de alto risco adicionando um elemento humorístico de surpresa e descrença.

Mas a soldagem subaquática certamente faz jus à sua reputação perigosa, devido a vários fatores complexos e cheios de riscos. 

Como esse trabalho funciona?


Os mergulhadores entram no oceano com equipamentos especializados, projetados para suportar o ambiente desafiador das profundezas do mar. Vestidos com roupas de mergulho grossas ou roupas secas, eles saltam de um barco, usando capacetes com sistemas de comunicação integrados para se manterem conectados com a equipe acima da superfície. Há vários métodos de descida, dependendo da profundidade e da duração de sua tarefa. 

“Em uma plataforma de petróleo, o primeiro mergulhador literalmente desce pela plataforma embaixo d'água”, explica Purvis, “e estabelece o que chamamos de downline – uma corda de 1,5 com que vai até o barco”.

Os mergulhadores, então, enrolam os dedos em torno da linha e caem em queda livre até o fundo. “Até mesmo alguns dos melhores mergulhadores esportivos podem ficar completamente perdidos debaixo d'água”, continua Purvis. “Se você virar para o lado errado e esquecer para onde está virando, pode perder a noção de qual é o caminho para a esquerda ou para a direita, para cima ou para baixo.” 

fonte de oxigênio dos mergulhadores é diferente de um tanque de mergulho e se assemelha mais a uma espécie de cordão umbilical. A mangueira fornece gás respiratório da superfície até o ponto de controle do mergulhador, como um astronauta caminhando na lua, amarrado a uma nave espacial. Eles descem com eletrodos e lanternas nas mãos, projetados especificamente para inspeções e reparos sob as ondas. 

E o simples fato de trabalhar embaixo d'água apresenta uma infinidade de desafios que exigem conhecimento especializado. Como em qualquer mergulho, o aumento da pressão da água, se não for gerenciado adequadamente, pode resultar em problemas fisiológicos graves, como narcose por nitrogênio e doença descompressiva.

A visibilidade no fundo do mar agrava os desafios enfrentados pelos soldadores subaquáticos, pois eles geralmente trabalham em águas turvas e enevoadas com pouca luz solar. Essa claridade reduzida dificulta a identificação de possíveis riscos ou obstáculos. Alguns mergulhadores chegam a manter os olhos fechados durante a soldagem para manter a calma, permitindo que o reparo seja feito apenas pelo tato. 

“Se estiver escuro, você estará desperdiçando energia tentando enxergar”, afirma Purvis. “Na maioria das vezes, está totalmente escuro lá embaixo, e o trabalho é todo baseado na sensação de qualquer maneira.”

eletrocussão também é uma ameaça embaixo d'água, pois a eletricidade pode enviar correntes elétricas pela água próxima.  E a soldagem em temperaturas extremamente altas faz com que as moléculas de hidrogênio e oxigênio da água se separem. Se a proporção de hidrogênio em relação ao oxigênio atingir um determinado nível, podem ocorrer explosões maiores ou menores. 

Para reduzir esses riscos, os soldadores subaquáticos contam com treinamento extensivo, equipamentos especializados, comunicação constante com pessoas acima da superfície e ferramentas de soldagem adaptadas. 

No entanto, o medo faz parte do processo, revela Purvis, que costuma soldar com água por dez horas seguidas e perdeu parte do dedo mindinho durante um mergulho de soldagem subaquática.

“Ter medo é natural, e se algum mergulhador disser que não teve medo, está mentindo”, diz ele. “É preciso lutar contra as correntes durante o trabalho, e a maioria dos mergulhadores perde um ou dois dedos por causa de uma peça que esmaga sua mão.”

Uma profissão em evolução


soldagem subaquática pode sempre ser um trabalho que precisa ser feito por humanos, em vez de máquinas. De acordo com especialistas, o trabalho é simplesmente muito complexo.

É uma arte”, afirma Kevin Peters, soldador subaquático e diretor de serviços ambientais da Subsea Global Solutions. “Você realmente precisa estar sintonizado com ele, com a habilidade e a prática, da mesma forma que um pintor ou músico precisa dedicar suas 10 mil horas.” 

Cada trabalho também varia de um para o outro. “A maior parte do trabalho de soldagem subaquática é para reparos e, na maioria dos casos, com um robô, precisaria ser um processo semiautomático”, diz o premiado engenheiro de soldagem Uwe Aschemeier. “Os reparos na soldagem não são lineares nem constantes – você realmente precisa de humanos para avaliar e elaborar o reparo.” 

A profissão é usada por vários setores, desde empresas petrolíferas que constroem plataformas offshore até construtores navais que fazem reparos subaquáticos. Esse método surgiu como uma alternativa superior à docagem a seco de barcos – tirando-os completamente da água –, economizando tempo e recursos e garantindo reparos eficientes. 

Particularmente crucial nos setores de petróleo e gás, a soldagem subaquática mantém a infraestrutura de grandes navios, reatores nucleares, oleodutos e plataformas de petróleo em alto-mar.

Para limitar a ameaça da mudança climática global, as empresas de energia estão sendo pressionadas a eliminar gradualmente os combustíveis fósseis. No entanto, sem as plataformas submarinas e as barcaças de petróleo, os soldadores encontraram trabalho no setor de energia renovável.

Depois de trabalhar com soldagem, Purvis passou a trabalhar com painéis solares e baterias

“Tenho três filhos e queria que eles me vissem sendo transferido para o setor de energias renováveis”, diz ele, “para não apenas tirar da terra e dos recursos disponíveis do nosso planeta, mas usar os recursos naturais para produzir energia”. 




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

ESTA RÁDIO É SUA

(64) 3631- 1392

Copyright (c) 2024 - Kativa FM \"Essa Rádio é Sua\" - Jataí - GO