Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

cidade
No comando: Cidade In Love

Das 0:00 as 02:00

what
No comando: What´s Up

Das 02:00 as 03:00

what
No comando: What’s Up

Das 02:00 as 04:00

SUPER
No comando: Super Astral

Das 03:00 as 04:00

nacao
No comando: Nação Sertaneja

Das 03:00 as 05:00

nacao
No comando: Nação Sertaneja

Das 03:00 as 05:00

viola
No comando: Clube da Viola

Das 04:00 as 06:00

imdest
No comando: Mistureba

Das 05:00 as 08:00

marcos-300x300
No comando: Sertanejo 93 da Manhã

Das 05:00 as 08:00

gilson
No comando: Gilsom Nogueira

Das 06:00 as 09:00

leo
No comando: Léo Carvalho

Das 08:00 as 12:00

teo
No comando: Pediu Tocou Da Manhã

Das 08:00 as 12:00

clube
No comando: Clube do Amor

Das 09:00 as 12:00

asmais
No comando: As Mais Pedidas

Das 12:00 as 13:00

esporte
No comando: Kativa Esportes

Das 12:00 as 13:00

marcos-300x300
No comando: Arquivo 93

Das 12:00 as 16:00

plane
No comando: Planeta Rádio

Das 13:00 as 16:00

andre
No comando: André Mascarenhas

Das 13:00 as 17:00

regi
No comando: Reginaldo Serra

Das 16:00 as 19:00

teo
No comando: Téo Moraes

Das 16:00 as 20:00

asmais
No comando: As Mais Pedidas Sertanejas

Das 17:00 as 18:00

gilson
No comando: Gilsom Nogueira

Das 18:00 as 19:30

voz
No comando: Voz do Brasil

Das 19:00 as 20:00

resumo
No comando: Resumo

Das 19:30 as 21:00

planet
No comando: Planet Parade

Das 20:00 as 21:00

andre
No comando: André Mascarenhas

Das 20:00 as 24:00

mpb
No comando: MPB

Das 21:00 as 22:00

class
No comando: Classe A

Das 21:00 as 23:00

song
No comando: Song By Night

Das 22:00 as 24:00

Classe An
No comando: Classe A Nacional

Das 23:00 as 24:00

Novo auxílio deve ter 4 parcelas de R$ 250; contrapartidas virão em 2 PECs

Compartilhe:
auxi

Governo e lideranças do Congresso avançaram nas negociações para a concessão de mais uma etapa do auxílio emergencial com valor de R$ 250 em quatro parcelas, com custo total de cerca de R$ 30 bilhões. O benefício deve começar a ser concedido em março, com término em junho. Já há entendimento político de que a concessão do auxílio terá de ser dada por meio da aprovação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) de Orçamento de Guerra, semelhante, mas não igual à aprovada em 2020. Na prática, o Orçamento de Guerra permitiu que o governo ampliasse os gastos no combate à pandemia livre das “amarras” das regras fiscais. Agora, as medidas de contrapartidas de corte de despesas e  de renúncias fiscais, cobradas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, serão divididas em duas etapas. A “PEC de guerra”, que se espera esteja aprovada até a primeira semana de março, conterá uma versão mais compacta de medidas fiscais com base em um texto que já está no Senado, o do pacto federativo, que tem como relator o senador Márcio Bittar (MDB-AC). Essa PEC terá a cláusula de calamidade e permitirá que os gastos para o pagamento do auxílio não sejam incluídos no teto de gastos, a regra que impede o crescimento das despesas acima da inflação, nem no Orçamento de 2021. A segunda PEC conterá a outra parte das medidas mais duras de corte de despesas, com o objetivo de sustentar a sobrevivência do teto de gastos até 2026. As lideranças buscam fechar um compromisso para que essa segunda PEC fiscal esteja aprovada até junho, quando terminará o pagamento do auxílio. A ideia é consolidar o que os líderes do governo têm chamado de “fortalecimento das âncoras fiscal e monetária”, com a garantia da sobrevivência do teto de gastos e aprovação da autonomia formal do BC. A expectativa é de que até o fim da próxima semana a divisão das medidas entre as duas PECs esteja concluída.

Fonte : O Estadãoauxi

Deixe seu comentário:

Parceiros

Parceiros